domingo, agosto 08, 2010

Vocês também vivem em mundos?

Vocês também vivem em mundos?
Hoje descobri algo surpreendente. Não sei o que era, não tenho nome para aquele momento em que o tempo parou, a gente congregou, e a nossa mente parecia funcionar diferente. Era como se, pelas palavras, pela família, eu tinha passado a ser outro. Eu não era quem eu sempre era, eu esqueci esse, e vivi como dentro de um sonho, sem nem pensar que podia acordar, meus pensamentos funcionando diferentemente, aparecendo de outro modo.
Jantar em casa de família. Até minha avó era diferente. Por um dia esqueci de tudo, e era eu sem saber.

Aí voltei para casa, e me invadiram os desenhos de Kells. Mas sem as cores, ou melhor, com as cores frias da paisagem. Folhas, árvores, verde e neblina. E a neblina hoje? Vocês viram? Tudo parecia movediço. Nem mesmo meu eu que sente as coisas da natureza acordou hoje, como se se meu sonho fosse bom.
Mas aí acabou, de súbito, quando voltei para casa. E vieram os desenhos de Kells, os povos esquecidos, Columba e sua Ilha. E então me lembrei da faculdade e voltei a ser aquele que estuda e anda pela USP.
Entendem o que quero dizer? Hoje, saindo com meu pai, com minha (nova) família (sim, temos novos integrantes, interessantíssimos) eu vivi diferente.

Questionei meus planos, de novo e de novo. Bendita seja a memória! Esqueci os sentimentos, esqueci o que sentia, esqueci o lado bom mas não esqueci a parte de mim que diz: sim, você deve fazer isto. Se eu crio planos e o tempo apaga a animação inicial, devo ainda seguí-los? E se forem planos muito bons, que na época lhe eram claramente importantíssimos? Eu sinto que devo honrar minha decisão, e que por mais que não entenda agora a importância desta, eu soube um dia. Eu sou eus. Eu confio no eu que eu fui, como alguém que posso ver e que é à parte de mim. Ele diz vá, eu salto para o abismo!
Esqueci o que era tão importante naquilo que buscava. Esqueci a razão da busca. Esquecemos muito, mas sinto com toda a força que devemos ser fiéis a nós mesmos.
Não esqueci as palavras.
"A pior sensação"
"Aquilo que devo fazer".
Passada a memória, da dor e do medo, restam as palavras. Acredito nelas. Acredito no outro que eu fui.

2 comentários:

Lobz Wolblood disse...

Sim.

Penso nessas coisas o tempo todo.

Acho que na maior parte das vezes prefiro ser fiel às decisões dos meus outros eus... Mas às vezes sinto que eles estão sempre em conflito!

Rafael F. disse...

Eu ia comentar mas acabou ficando meio grande. Ta aqui:

http://umpontonoplano.blogspot.com/2010/08/pedacos-ao-vento.html