segunda-feira, novembro 13, 2006

O Anjo de Puerto Sol



Quando o furacão subsistiu e se acalmou, os habitantes de Puerto Sol foram saíndo de suas casas e esconderijos para ver a cidade destruída. José Horácio, o carpinteiro, se viu preso por sob os escombros de sua casa, sem conseguir sair.
Sua filha Maria correu para buscar ajuda. O que viu pelas ruas foi o medo e a surpresa estupefata dos cidadãos diante de uma tragédia tão irreparável. Muitos ainda não acreditavam no poder desencadeado pela Rainha e olhavam assombrados o que sobrara da cidade colorida.
Maria passou correndo pelo padre Miguel e pelo coronel aposentado. Foi direto para onde Hoshy estava deitada atõnita e pediu-a:
- Ajude-me Viajante. Meu pai está preso sob as madeiras.
A historiadora assentiu, sem palavras diante da força do vento destruidor. As duas correram pelas ruas de volta até a orla de núvem onde antes havia uma casa branca.
- O que houve? - perguntava José Horácio - Quando que pecamos tanto para merecer um castigo assim?
Hoshy calou-se de raiva pelos atos crueis que a Rainha demonstrara. Maria mandou chamarem muitos homens para levantarem as madeiras para ver se podiam retirar o carpinteiro ali debaixo.
Depois de várias tentativas comandadas por Hoshy, os cinco irmãos José e Teobolt largaram cuidadosos a grande viga que segurava o pobre homem ao chão.
- Ai Deus! Ajude meu pobre paizinho, por favor - rezou Maria.
Pouco tempo depois chegava do céu o mensageiro divino trazendo um milagre. Era Etlyr que assistira à tragédia do alto, que falhara em sua luta contra o furacão. Arrasada, ela descia para desculpar-se perante Puerto Sol, quando viu Hoshy acenar.
José Horácio conta até hoje aos seus netos a história. Quando se sentia preso pela viga e pronto a encomendar sua alma de volta ao Criador, uma luz se acendeu e brilhou em seu rosto.
Ao olhar para cima ele viu a mais magnífica presença descendo em sua direção.
- Minha Nossa Senhor da Conceição! ele gemeu enquanto a figura branca tocava de leve sua mão, com o olhar mais puro e mais doce que ele já vira. Era um olhar sobrenatural, ao mesmo tempo alegre e triste, capaz de curar todas as dores.
Com a maior das gentilezas, quase sem fazer nenhuma força com sua pele de vidro, a mulher luminosa puxou-o para fora dos escombros, sem nenhum arranhão, sem nenhuma dor, sem esforço algum
As núvens estávam douradas no céu, enquanto a aparição ia deslizando pelas ruas, concertando tudo o que havia de errado no mundo. Sua existência era certamente a contraparte luminosa da Rainha, ela era o anjo iluminador de asas douradas, a Piedade. Quando ela andou pelas ruas todos estivemos bem.

4 comentários:

Lobz disse...

^^ é, não é?
a mulher luminosa é a Etlyr?

Charles B. disse...

Sim

Mas acho que exagerei.

Lobz disse...

Talvez...

Ah, e desculpa por ter comentado rápido demais! Você devia se prevenir para esse tipo de coisa, mudando os horários dos posts antes de publicá-los! (ou depois, pensando bem) (pensando bem, eu não entendi o seu problema)

pioux disse...

nossa o.O q estranho...
visão das pessoas dos escolhidos?